Entrevista Glayson Souto

Confira entrevista exclusiva com o atual Campeão Brasileiro - WBBF

Pergunta e resposta com o atleta Glayson Souto

Pergunta: Glayson, quais os principais títulos de sua carreira?
Glayson: Tenho 11 campeonatos mineiros, 7 campeonatos brasileiros, 2 campeonatos brasileiros em duplas, na época tinha dupla, eu sou um pouco antigo. Tenho 2 sul-americanos e o campeonato mundial que eu não conquistei, mas sou vice-campeão mundial.

Pergunta: Glayson, qual é a sua categoria?
Glayson: Eu sou peso pesado. Categoria entre 90 e 100 kg.

Pergunta: Hoje você compete por qual federação?

Glayson: WBBF

Pergunta: Quando e qual será o campeonato que irá competir fora do país?

Glayson: Vai ser na Lituânia, é o campeonato mundial e será no dia 15 de outubro. Antes disso tem o campeonato brasileiro em São Paulo, no dia 10 de setembro. Estou me preparando para eles. E posteriormente, um no final de outubro, provavelmente irei pra Boston, nos Estados Unidos.

Pergunta: Você me disse que sua primeira competição foi aos 15 anos, não é isso?

Glayson: É! São quase trinta anos.

Pergunta: Nesse meio do caminho, nós passamos por algumas diferenças. Muitas coisas aconteceram. Quando o cara forte, musculoso, era mal visto e hoje é tido como referência. Como você vê essa história?

Glayson: Eu sempre quis que nosso esporte chegasse a ser reconhecido como está sendo hoje. Acho que ainda não é o tanto que deve ser, mas já caminhou bastante. Antigamente o preconceito era muito grande, não existia pessoas musculosas aqui no Brasil. Há 20 anos atrás você chegava em um shopping ou algum outro lugar, principalmente se estivesse preparado para competição e era motivo de escândalo, você sentia que as pessoas falavam bem ou falavam mal e até hoje é assim, mas em menor quantidade. Acho que hoje com a evolução do esporte no país, eles começaram a enxergar a musculação como uma base para uma vida saudável. E isso tudo veio acarretando para que acontecesse a divulgação que vemos hoje do fisiculturismo. Hoje músculo, definição, comida, alimentação saudável está na moda. Para nós é ótimo, esperava isso a muitos anos.

Pergunta: Quando se fala em ser atleta, se fala em várias dificuldades. Qual você coloca como sendo a maior? É preconceito no esporte, dinheiro para o esporte. Como você avalia as principais dificuldades para ser um Body Builder 24 horas por dia?

Glayson: Bem, quanto ao preconceito, eu acho que quando uma pessoa decide ser fisiculturista, ela esquece o que as pessoas vão pensar dela. Você segue o seu caminho, é uma escolha de vida. Um estilo de vida que você passa a ter e o que as pessoas pensam não importa para você. Acho que 100% dos fisiculturistas, principalmente os mais antigos, vão dizer isso. A grande dificuldade mesmo é a parte financeira. Se a pessoa quer ser um fisiculturista, ainda mais de competição, tem que ter uma disciplina e uma aplicação maior. É um esporte caro, são suplementos caros. Para você ficar em alto padrão durante todo ano, precisa de boa alimentação, suplementação e tudo o que o esporte precisa, sunga, tinta, passagens, hotel, tudo é muito caro. Principalmente quando não temos muitos patrocínios disponíveis. 

Pergunta: Quem você admira, segue e se inspira no esporte. Quem são os seus ídolos?

Glayson:  Cara, o primeiro de todos, acho que da maioria dos fisiculturistas, é o Arnold Schwarzenegger. Na verdade, quem trouxe a musculação para o cenário mundial foi ele. Eu quis ser forte devido aos filmes dele. Tem outros também, aqui no Brasil tem alguns amigos que sou fã como o Edson Serafim, José Carlos Do Santos, o próprio Eduardo Correa que leva o nome do Brasil para o cenário mundial com muita força todo ano. Sou meu fã também né, porque você trabalha o dia inteiro, treina, faz dieta e sabe que irá dormir só 6 horas. Acho que eu tenho que olhar pra mim mesmo como um ídolo.

Pergunta: Nós estamos na Br/Fit, academia na Pampulha. Eu queria que você me falasse da relação Glayson com a casa. Como funciona essa relação entre academia e atleta?

Glayson: Na verdade, até o ano passado eu era empresário e tive uma academia por 20 anos. Resolvi investir só no trabalho de Personal Trainner. Tive um medo grande no início de fechar um comercio e mudar de vida. Porém, quando cheguei na Br/Fit fui muito bem recebido. Me deram uma chance de mostrar o meu trabalho e consegui muitos alunos aqui. Já estou aqui há um ano. É minha segunda casa. Me sinto bem à vontade, passo a maior parte do dia aqui na academia. A relação com os alunos é muito boa. O fisiculturista precisa disso também. Isso acaba virando amizade. Hoje, eu treino aqui pela qualidade dos equipamentos e pelo espaço. Estou muito satisfeito e feliz.

Pergunta: Você falou que tem filhos. Quantos anos eles têm?

Glayson: Tenho dois filhos. Um de doze e outro de dezesseis.

Pergunta: E eles gostam do esporte? Como que é?

Glayson: O mais velho está me surpreendendo. Porque não gostava. Quando ele tinha dez anos ele estava bem acima do peso. Então conversei com ele sobre o fato da dificuldade que uma pessoa de sobrepeso tem. Então ele por conta própria começou a treinar e tem o físico bem preparado. Não sei se ele vai querer ser fisiculturista. O pequeno é jogador de futebol. Ele joga na base do Cruzeiro. Hoje, ele está em uma competição na qual foram campeões em São Paulo. Fico feliz que eles estejam seguindo o caminho do esporte.

Pergunta: Hoje você vive do esporte? Ou você vive do trabalho de Personal Trainer.

Glayson: Impossível viver do esporte aqui no Brasil. Complicadíssimo. No Brasil um patrocínio simples já é uma coisa complicadíssima. Então viver do esporte é quase impossível. Não sei se tem alguém no Brasil que viva do esporte, mas acho meio complicado. Acredito que hoje o caminho é sair do País, infelizmente.

Pergunta: Quais dicas você daria para uma pessoa sedentária?

Glayson: Eu acho que as pessoas pensam muito na estética, na forma física. As pessoas querem ser saradas, bonitas e esquecem da saúde. A primeira coisa é você lembrar que você tem coração, pulmão, o seu corpo precisa de cuidado. Não precisa de açúcar, gordura, fritura. A partir daí você começa a ter esses hábitos saudáveis pensando em uma vida melhor mesmo e então seu físico vai respondendo. Às vezes fico vendo o desespero de algumas pessoas para emagrecer, quer tomar isso, quer tomar aquilo. Vejo isso como um certo desespero. É uma falta de controle e de informação. A primeira coisa é fazer uma dieta para começar a melhorar tudo na sua vida. Não é só o seu físico. É o seu sono, seu organismo, seu descanso. Queimar gordura, crescer massa muscular e tal já é consequência do que você vem cultivando. E o primeiro cultivo é a alimentação. Daí vem os exercícios físicos, que são necessários para o bem estar e a saúde. Agora para estas pessoas que estão paradas, a palavra é “ACORDE”. Faça alguma coisa pela sua saúde. Porque a gente pode cultivar para o bem ou para o mal. Com dois meses de alimentação legal, você vai se sentir melhor com suas roupas, em frente ao espelho. Vai estar melhor com você mesmo.

Pergunta: E para a galera que já está no esporte. O que um atleta com trinta anos de esporte tem para dizer para um atleta que estreou esse ano nos palcos ?

Glayson: Bem, vamos com consciência, né? Porque não é apenas uma competição ou duas. É uma vida de competição. 24 horas sendo fisiculturista. Não se vanglorie porque ganhou um campeonato, dois, três ou dez, porque o próximo você pode perder. O meu pai sempre falava: “Atrás de um morro tem outro morro. ” Então, nunca ache que você é o morro mais alto. Sempre haverá outros. Acho que humildade, paciência, perseverança, disciplina, dedicação, trabalho, boas técnicas, preparação para uma competição são virtudes e os ingredientes para o sucesso. Tem que fazer o melhor possível. Ter coerência também, você não pode achar que você ganhou um campeonato mineiro e vai ganhar o Arnold também. Não é assim. São níveis, etapas, outras pessoas competindo. Um amigo meu muito experiente, José Carlos dos Santos me falou o seguinte: “Glayssinho, você está muito bem. São várias coisas que devem acontecer para que você ganhe, e uma delas é não ter ninguém melhor do que você lá.” (risos). Não adianta você achar que conhece todos os seus adversários. Cada competição é única.

Pergunta: Eu queria que você me falasse das pessoas que você ajudou, trabalhou junto. E depois nos falasse qual é o perfil de pessoas que podem ser treinadas pelo Personal Glayson Souto.

Glayson: Bem, nessa caminhada já trabalhei com muitas pessoas. Muitas pessoas que estão no cenário hoje. Descobri muitos atletas, incentivei muitas pessoas a subirem no palco. Pessoas que estavam na academia e eu falava: “Pô, você tem um físico legal. Eu acho que você deve competir.” Esse ano mesmo aconteceu isso, um rapaz foi campeão mineiro, campeão brasileiro e ficou em 4º lugar no Mundial da Nabba. Ele é um rapaz de Varginha, eu fiz um trabalho com ele pelo WhatsApp e o menino ficou espetacular. O cara já era um fisiculturista pronto, o ajudei a secar. O nome dele é Tiago Goular, um atleta excelente. Se a pessoa tiver disciplina e escutar o que uma pessoa mais experiente tiver para falar, não questionar e fizer tudo de olho fechado, ela vai para a frente. Se um cara, mesmo com um físico excelente, ficar escutando mais de um treinador, não vai dar certo. Cada atleta tem um estilo de trabalhar. Tem um estilo de dieta, uma sensibilidade.

Todas as pessoas que tiverem interesse podem me procurar, basta ter disciplina e dedicação. Tenho o maior prazer em treinar qualquer tipo de pessoa, não apenas atletas. A senhora, o gordinho, a menina sarada, o fisiculturista, TODOS. Eu preciso que a pessoa tenha compromisso comigo, tenha disciplina para que eu fique satisfeito. Aluno que não rende para mim, eu não gosto.

 

Pergunta: Quanto tempo você acredita que um bodybuilder possa subir em um palco?

Glayson: Se a pessoa tive um físico completo e apenas com seu percentual de gordura alto é simples. Em torno de 4 ou 5 meses, a pessoa fica na pele. É difícil quando a pessoa tem pouco músculo em alguma parte. As vezes a perna é muito pequena. Então o corpo fica trabalhado e aquele musculo fica faltando ali. Mas quando a pessoa é completa. Com 4 ou 5 meses, o atleta entra em forma.

Pergunta: Quais são seus contatos?

Glayson: Bem, vou deixar meu número. Pode entrar em contato pelo WhatsApp ou me ligar. De Belo Horizonte, (31) 98416-5798. Ou aqui na academia Br/Fit que fica na Avenida Portugal 680, Jardim Atlântico - Belo Horizonte/ MG,Brasil.

Pergunta: Quais são as suas redes sociais.

Glayson: Instagram: @atletaglaysonsouto / Facebook: Glayson Souto

Pergunta: Quais os principais diferenciais que a Br/Fit apresenta para você e para as pessoas que vem aqui.

Glayson: A aparelhagem é espetacular. Eles têm aqui uma linha de máquinas articuladas da Tecnology que são fantásticas. Nesse um ano de treino, senti uma diferença boa no meu físico. Algumas partes incompletas, sinto que estão melhorando. Acho que é o grande coringa da academia. Além do espaço e do conforto. A academia é excelente.

Pergunta:Muito obrigado pelo tempo. Desejamos a você todo sucesso do mundo e muito sucesso!

 

 


Autor / Fonte:Brfit